Maíra Erlich Fotografia » fotografia de casamento, fotos de casamento, wedding photography, retratos, portraits, Recife, Pernambuco, Brasil

O WORKSHOP QUE VAI ILUMINAR O SEU CAMINHO NA FOTOGRAFIA :)

 

Quer saber mais sobre essa experiência?

Clique aqui e baixe o PDF!

***

INSCRIÇÕES ABERTAS PARA AS PRÓXIMAS TURMAS!

ESCOLHA A SUA E CLIQUE PARA SE INSCREVER:

 

Workshop em Foz do Iguaçu, novembro de 2017

FOZ DO IGUAÇU, 7 e 8 de novembro de 2017

Quer levar o workshop para a sua cidade? Fala comigo!

***

 

QUEM JÁ PASSOU POR ESSA EXPERIÊNCIA

 

 

***

 

DEPOIMENTOS DOS ALUNOS

 

Seu workshop, para mim, foi terapia. Se precisasse resumir ele em uma palavra, seria essa. 

Aquelas terapias que você senta no divã achando que tá tudo certo, que vai sair inteirona do rolê, melhor do que quando entrou, que vai descobrir tudo de você e aí: BUUUM! Sai estilhaçada. Com vários cacos de vidro no chão espelhando seu um milhão de eus interiores, sem entender nada de nada. Se sentindo um lixo, mas entendendo que você só abriu (escancarou, na real) portas que fingia estarem trancadas e sem chave pra abrir. Então só deixava elas lá… caindo no esquecimento, apagando as luzes do corredor em que elas estavam. 

E, por mais que pareça horrível sair assim de uma terapia, eu acredito que as grandes mudanças vêm depois de uma tempestade que chega e destrói tudo. Que faz você chorar, até surgir um arco-íris trazendo a esperança. Que desconstrói para reconstruir. 

Você é a tempestade que passa e destrói… mas também é o arco-íris que traz um suspiro no amanhecer de um novo dia. 

Não vou ser a fotógrafa que quero ser amanhã. Sei que não vou me desprender de tudo que gostaria de forma tão rápida assim. Mas eu vou lutar todo dia por isso. E a você só dou minha gratidão.

Carolina Righetti

 

***

 

Demorei para escrever sobre essa experiência por 2 motivos.

O primeiro, é porque me desafiei a decorar o nome e escrever sem precisar de cola, mas percebi que demoraria muito para falar sobre esse workshop. E não quero ter esse desafio só para mim, tente decorar você também ‘Aquilo Que Você Sentia Que Faltava Mas Não Sabia O Que Era’. Fácil, né?!

O segundo motivo é que eu fui achando que sabia o que faltava e voltei sem descobrir o que era. E talvez seja o objetivo verdadeiro desse workshop.

Diferente da grande maioria, o AQVSQFMNSOQE não tem parte prática, o que nos leva a prestar atenção em cada detalhe do que a Maíra aborda nos dois dias de curso. A cada slide ou frase, milhões de questionamentos vêm à mente e nos fazem pensar o Porquê e o Como estamos fazendo fotografia hoje, e o que ela realmente representa para cada um de nós.

É difícil falar sobre essa experiência sem dar nenhum spoiler, mas posso garantir que depois de algumas perguntas que fazem você refletir e uma análise minuciosa da sua fotografia, você não verá mais as coisas como antes.

Depois dessa vivência, posso assinar embaixo o que um amigo disse sobre a Maíra: “Ela é uma das melhores (se não a melhor) fotógrafa do Brasil!”

Rafael Petrocco

 

***

 

De um modo geral, não costumo criar expectativas para nada na minha vida, pois acredito que a chance de me frustrar torna-se infinitamente maior. Mas, no caso específico desse workshop, não tive como não criar expectativas. Assisti a uma palestra de Maíra e pensei: se alguém consegue mexer tanto comigo e passar tanta mensagem construtiva e autorreflexiva em apenas 30 minutos, imagine um workshop dessa pessoa? Toda a minha espera e ansiedade valeu a pena. Toda a expectativa criada foi superada e eu só tenho a agradecer por essa transmissão de conhecimento e inspirações maravilhosas. Tenho certeza que não estou saindo dessa experiência somente com um aprimoramento fotográfico – isso é o que eu já esperava -, estou saindo com reflexões que com certeza estão me tornando uma pessoa melhor e isso não tem preço.

Jessica Mendes

 

 

***

 

Foi muito intenso pra mim… Eu fui na expectativa de aprender mais sobre técnica de fotografia e essas coisas ‘triviais’, mas o que vivemos ali foi tão forte pra mim que até hoje está reverberando. Como é foda isso de a gente usar a arte para nos expressarmos… é de uma simplicidade que assusta! Olha, foi tão fantástico o workshop que parece que a gente só consegue apreciá-lo mais e mais com o passar do tempo. Sabe por quê? Porque toma um tempo para nos libertarmos das nossas próprias prisões. A tua generosidade e simplicidade no workshop foi como uma chave girando dentro de mim, abrindo um quarto que eu ainda não consigo visualizar o que abriga, só sei que é profundo e meu. O workshop foi cruamente simples, e foi brutal. Foi dessas coisas que se diz divisor de águas.

Heloá Aires

 

***

 

Ainda estou tentando digerir, ou mesmo ‘sintetizar’, o que foram esses dois dias. Talvez seja difícil definir, assim como a ideia de ter aceitado que havia chegado ao fim esse workshop nada convencional. Não pareceu ser um ponto final – quem sabe uma vírgula -, mas para mim o que está ainda mais latente é o ponto de interrogação. Acho que essa busca não tem fim, rs. Maíra, quero agradecer a sua entrega. Dá pra ver o quanto você respira fotografia. Intriga, desafia e compartilha sua alma de forma tão generosa. Sua luz reflete seu trabalho. Seu trabalho é a consequência de uma vida. Acho que essa foi a maior lição para mim: eu ser a minha fotografia, ou vice-versa. O que vale para a vida… ser o mais verdadeiro e honesto consigo, para que a nossa luz se difunda.

Amanda Luthold

 

***

 

Daria pra falar sobre tudo: vida, negócios, fotografia, pessoas… mas resolvi falar da vida. Eu volto do teu workshop pensando diferente para a vida! Até ontem eu me preocupava muito em fazer meu trabalho para que ficasse no mesmo nível de fotógrafos que eu admiro (ou admirava, mudou tudo!), e não me preocupava em colocar na minha fotografia quem sou eu de verdade. Isso mudou, eu acordei hoje pensando diferente. Pensando em quem eu sou e o que eu quero passar em minha fotografia.

Quero te agradecer por abrir minha cabeça, mas além disso e mais importante, dividir conosco tuas experiências de forma tão humilde e simples. Mas esse simples é grande, é gigante, porque a gente não vê mais tanto (quase nunca) isso no mundo da fotografia! Obrigada por ter sido quem tu foi. Me fez muito bem! 

Sofia Kich